segunda-feira, 1 de agosto de 2022

Fechamento da Carteira de Julho/22 (+ 0,99 % / +0,27 %)



Boa noite Finansfera!

 

Julho pareceu Junho no quesito lucratividade... Leve elevação do patrimônio (0,99 %), rendimento pífio (0,27 %) mesmo considerando 100% de reinvestimentos de rendimentos/dividendos recebidos e possivelmente mais um mês de derrota para a inflação (a deflação esperada para o próximo mês não será real uma vez que é focado apenas nos combustíveis). Dessa vez as ações BR tiveram uma boa recuperação, assim como FIIs e RF. Apesar disso, os ETFs irlandeses desabaram eliminando praticamente toda a valorização dos demais ativos...foda...rsrs. 2022 segue sendo um ano de lucratividade praticamente nula. No mais só me resta continuar a aportar nas ações e FIIs mais descontados até que haja uma nova janela para uma remessa internacional (o dólar voltou a cair no final do mês...mais um pouco e faço uma remessa).

Apesar de não concordar com o Bastter em muitas coisas e principalmente na forma como ele trata outros investidores que discordam da forma Bastter de pensar, uma coisa eu concordo com ele: O que gera aumento do seu patrimônio são os aportes constantes e duradouros e nem tanto o rendimento dos seus investimentos... Assim o foco principal tem que ser em manter os aportes mais alto possível e depois pensar em lucratividade... Além disso, não é fácil mas temos que manter o lado racional acima do emocional...Comprar ao som de canhões...repito isso 10x ao dia em frente ao espelho...rsrs. Espero que essa estratégia dê frutos daqui há uns 5 anos...

Abaixo segue a curva de aumento do meu patrimônio, sua rentabilidade e o IPCA acumulado em 2022 (o valor do IPCA de julho não foi incluído uma vez que ainda não foi divulgado).




Em relação aos gastos esse mês tivemos alguns gastos elevados devido a chegada próxima da filhota. É hora de comprar tudo que ficou faltando nos últimos meses: muitas roupinhas, babá eletrônica, fraldas e mais fraldas, canguru, brinquedos, decorações, berços móveis, entre outros gastos relativamente pequenos mas que somados se tornam consideráveis. Além disso, como as roupas de bebê são muito sensíveis resolvemos trocar a máquina de lavar daqui de casa que sempre foi "a mais barata" por uma máquina lava e seca de abertura frontal com inteligência artificial. Pelo preço que foi espero que ela dure bastante e cumpra o esperado. É tanta coisa necessária que nem imaginava! Outro ponto é aumentar um pouco a nossa reserva financeira para aguentar o período em que a Sra VVI não poderá trabalhar...infelizmente vida de PJ é assim...não pode trabalhar, não recebe nada...sorte que temos uma situação financeira muito sadia e é só questão de deixar um valor específico para os gastos no período.

No mês de julho o dinheiro novo foi direcionado para a reserva de oportunidade novamente, sendo os rendimentos dos FIIs reinvestidos em FIIs (no caso uma composição entre MALL11/BRCO11/HGRU11) e dividendos/JCPs em ações BR (dessa vez foi a vez de VALE3, KLBN11 e MOVI3). Incrível ver os baixos valores de algumas empresas na bolsa...Não lembro de ver a Vale tão descontada há muito tempo...

Para Julho o plano é manter a estratégia de reinvestir os rendimentos recebidos em seus respectivos setores e dinheiro novo lançar na reserva de oportunidade aguardando alguma oportunidade interessante com o dólar para fazer uma remessa internacional (precisando aportar um pouco mais lá fora). O valor para o pagamento do parto já está guardando rendendo 100 % do CDI e apenas aguardando seu acontecimento...previsão para setembro! Passou muito rápido... 

Abaixo segue a alocação do meu patrimônio por tipo de investimento:


Resumindo a alocação acima e eliminando os investimentos não gerenciáveis (reserva de emergência e PGBL), temos a alocação simplificada abaixo que é a que eu utilizo para o rebalanceamento com novos aportes:

A partir do gráfico acima é possível ver que a participação em ativos internacionais reduziu, com a manutenção dos demais ativos e leve aumento da renda fixa e ações BR. Essa guerra na Ucrânia e inflação global tem impactado forte esse tipo de ativo...Os sinais de recessão americana sugerem que esse cenário deve se manter por algum tempo... aportar é preciso!

 Abaixo seguem gráficos com a minha atual alocação geral em cada classe de ativos:
 
Ações BR: 
Continuo muito alocado em energia e seguradoras, dois dos setores mais defensivos da Ibov. Carteira cada vez mais focada em dividendos/JCPs. Como ponto de atenção tem a BBSE11 que subiu bem nos últimos tempos e com isso passou do meu limite teórico de máximo de 10 % da carteira em apenas um ativo. Como não vendo ações por bom performance, vou diluir isso com os novos aportes em outras ações. Boas oportunidades não faltam...
 
 FIIs: